idioma PT EN
voltar ao projeto

publicações


A mascote "Inquiriquê"

fonte: http://jornaldeangola.sapo.ao/politica/a_mascote_inquirique • 03 de Abril de 2014

O Gabinete Central do Censo lançou ontem a sua mascote denominada “inquiriquê” no sentido de contribuir para a divulgação da maior operação estatística que o país já realizou.

 

 

 

O director do Instituto Nacional de Estatística, Camilo Ceita, explicou que a mascote vai atrair a atenção dos angolanos para as respostas que o Recenseamento Geral da População e Habitação vai precisar.
Camilo Ceita reforçou que a mascote vai a todas províncias, comunidades, aldeias e bairros para disseminar ao máximo as informações, que também vão estar associadas a peças teatrais.
O director acrescentou que interessa disseminar a informação com realce para as áreas suburbanas e mercados pois o Censo só é possível com a participação de todos os angolanos, em particular neste mês da paz. Camilo Ceita pediu a todos para responderem com verdade e abrirem as portas aos recenseadores devidamente uniformizados, para que cumpram as suas tarefas.
O coordenador da comissão de Mobilização e Publicidade do Gabinete Central do Censo, Dionísio Manuel, reforçou que a mascote ajuda os agentes recenseadores porque põe as pessoas à vontade para recebê-los.
Dionísio Manuel realçou que a escolha da mascote visa captar a atenção dos mais novos que também têm a grande missão de ajudar na divulgação das informações.

Difícil acesso

Pelo menos onze zonas de difícil acesso e que necessitam de intervenção por via aérea e com viaturas de grande porte foram identificadas na província do Cunene, no âmbito do Recenseamento Geral da População e Habitação, que se realiza de 16 a 31 Maio. O facto foi tornado público durante o encontro sobre o estado de preparação do Censo, orientado pelo ministro do Planeamento e Desenvolvimento Territorial, Job Graça, tendo sido identificadas as povoações e aldeias de Yonde, Okalwa, Cubati, Calunga, Oncócua, Chitado, Chiede, Namacunde, Ombala yo Mungo, Naulila, Mulunga Wachicongo e Humbe, onde os técnicos podem passar por dificuldades devido à complexidade do terreno.
Os participantes ao encontro recomendaram a disponibilidade permanente de meios aéreos na província e de viaturas de grande porte durante o processo de recolha de dados ao mesmo tempo que reafirmaram a necessidade de um maior envolvimento dos órgãos provinciais na mobilização e publicitação do processo, sobretudo nas zonas rurais.